terça-feira, setembro 12


Cinco anos depois


Com um dia de atraso, o Império Lusitano vem aqui fazer referência a um dos principais acontecimentos do nosso presente século.
Passados cinco anos desde os atentados do 11 de Setembro, parece que são poucas as nações que se impõem destemidamente contra o terrorismo, onde se escondem inimigos cobardes e "invisíveis".
Chovem os discursos anti-americanos, parecem estar na moda. Aliás, dão lucro. Vejamos o exemplo do péssimo "realizador" americano Michael Moore, ou das inúmeras t-shirts que se vendem a dizer "KILL BUSH", ou Anti isto e aquilo. Agora reparem, estes anti-americanos fazem parte dos mesmos cobardes que nos atacam. Sim é contraditório, mas pior que tudo, é grave, muito grave. Então e porquê? Passo a explicar:
Eles não são de certeza neutros. Primeiro porque assumem de forma clara uma posição fundamentalista contra o Ocidente envergando a bandeira da pseudo moral e dos bons costumes. Distorcem conceitos, esquecem o seu dever como europeus e ocidentais, renegam a própria cultura e ofendem a sua identidade.
Segundo, porque tentam boicotar através da discriminação, auto-superioriorizando-se àqueles que assumem um verdadeiro papel pela defesa do Ocidente.

Ora meus amigos, esta atitude subversiva, consciente ou não, interessa à estratégia islâmica de aniquilação de toda a civilização ocidental. No fundo estes "bons da fita ocidentais" não fazem mais do que propaganda de um ideal que os quer exterminar. Mas nem sequer são respeitados pelos islâmicos. Pelo contrário, eles riem-se deles, usam-nos e depois quando não precisam mais, deitam os fracos fora, tal e qual como os romanos fizeram ao assassino de Viriato. Antigamente chamar-se-iam traidores todavia, hoje são os auto-intitulados "guardiães da justiça", os "heróis" inconformados com a política ocidental. Os verdadeiros "defensores da liberdade", entre os quais aparecem figuras tão interessantes como Francisco Louçã, esse bastião da liberdade e dos direitos humanos, que por acaso lidera o partido Bloco Estalinista Trotskista (deve ser só por acaso), ou o PCP com as suas ridículas conspirações, que chegam para ofender qualquer cidadão com o mínimo de bom senso, isto tudo com o patrocínio da RTP (lá está o serviço público).

Aqui não se trata de ser pró-americano ou pró-judeu, seja lá o que isso for. Trata-se de assumirmos a nossa força perante a arrogância e o pedantismo islâmico. Mas não só. A tarefa é mais profunda e exige mais dedicação. Não basta uma atitude de permissão, mas uma verdadeira postura de acção. A tarefa é de grande responsabilidade. A verdadeira missão é a defesa do nosso passado e futuro, das nossas tradições e os nossos filhos, do perpetuar da nossa identidade ou da assinatura de uma sentença precoce de morte. É tempo de esquecer as pequenas diferenças, de união .

Ao contrário do que alguns nacionalistas pensam, os islâmicos não são nossos amigos. Assim vão-se perdendo erradamente na questão do sionismo e escolhem os argumentos errados, assim como os seus aliados. Ao mesmo tempo, os terroristas vão se aproveitando disso, enquanto esses nacionalistas vão destruindo estupidamente uma imagem que pretendem credível. No fim quem ganha são os fundamentalistas que vão tendo, sem grande esforço, apoio e aceitação “do lado de cá”.
Um dos factores de maior importância numa guerra é saber quais são realmente os nossos inimigos e quais os nossos aliados. O pacifismo não traz paz, porque é a atitude mais conformista e cobarde. Uma visão errada pode ditar a morte de toda uma civilização.

16 comentários:

besta mecanica disse...

Bons olhos os vejam! Isso é que foram férias! O que vale é que o post tá bom, senão não sei :P

Continuem camaradas.

Viva Portugal!

José d'Andrade disse...

Boa exposição textual. Julgo que o cerne do problema foi referido. Só nao percebi a parte final da mensagem para alguns nacionalistas, mas também não estou dentro do assunto, por enquanto.

De qualquer maneira, continuação de bom trabalho. É a minha primeira visita ao blog, sou novo nestas andanças, mas gostei de praticamente tudo o que li.

Força

Anónimo disse...

LIBERDADE PARA A PALESTINA!

Pantera disse...

concordo companheiro.

abraços

Ze do Telhado disse...

É verdade sr.Besta Mecanica, aqui o blog tem andado meio adormecido, não por ausência de reflexões mas por indisponibilidade, todavia tentamos recomeçar o bom ritmo anterior às férias.
De resto,obrigado pelos comentários, quanto ao comentario do anonymous, pouco há para dizer. Gostava apenas de deixar uma pergunta a esse senhor, o que é que faz no Ocidente?

Cumprimentos

Anónimo disse...

Faço o mesmo q o sr

Ze do Telhado disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Ze do Telhado disse...

Eu não renego a minha identidade. Somos certamente muito diferentes.

Anónimo disse...

Viva francisco Louçã!!!Viva o Bloco de Esquerda!!Abaixo o Fascismo!!Viva o 25 de abril, o aborto e viagra de graça para os portugueses...Queria por fim agradecer tambem a SIS por este premio..Obrigado maezinha

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

Bom regresso ao activo! Já era sem tempo! :)

Ze do Telhado disse...

Muito obrigado companheiro, pedro ferreira. Tem sido é um regresso lento ;)

Abraço

Anónimo disse...

filofaxer

Ze do Telhado disse...

LOL

Anónimo disse...

COMUNAGE, onde estais? VENHA A NOS, QUERO PRESTAR HOMENAGE, à COMUNAGE, porque se nao o fizer, niguem o FÁGE!

Ze do Telhado disse...

LOOOOOOOOOL indentifique-se sr.anonymous, as suas contribuções são fantásticas! lol

jb bettencourt disse...

"O pacifismo não traz paz" (...) "É tempo de união".

De facto, o que disse é verdade, tomara que os governantes do mundo percebessem isso!