terça-feira, janeiro 16


Poema de Renato de Azevedo: Sem Nome

Apresento aqui um poema que achei propositado e que me agradou:

Era tão pequeno,
que ninguém o via.
Dormia, sereno,
enquanto crescia.
Sem falar, pedia
-porque era semente-
ver a luz do dia,
como toda a gente.
Não tinha usurpado
a sua morada.
Não tinha pecado.
Não fizera nada.
Foi sacrificado
enquanto dormia.
Esterilizado
com toda a mestria.
Antes que a tivesse,
taparam-lhe a boca,
- tratado, parece,
qual bicho na toca.
Não soltou vagido.
Não teve amanhã.
Não ouviu: «-Querido...»
Não disse: «-Mamã...»
Não sentiu um beijo.
Nunca andou ao colo.
Nunca teve o ensejo
de pisar o solo,
pezito descalço,
andar hesitante,
sorrindo, no encalço
do abraço distante.
Nunca foi à escola,
de sacola ao ombro,
nem olhou estrelas
com olhos de assombro.
Crianças iguais
à que ele seria,
não brincou com elas,
nem soube que havia.
Não roubou maçãs,
não ouviu os grilos,
não apanhou rãs
nos charcos tranquilos.
Nunca teve um cão,
vadio que fosse,
a lamber-lhe a mão,
à espera de um doce.
Não soube que há rios
e ventos e espaços.
E invernos e estios.
E mares e sargaços,
e flores e poentes,
E peixes e feras
- as hoje viventes
e as de antigas eras.
Não soube do mundo.
Não viu a magia.
Num breve segundo,
foi neutralizado
com toda a mestria:
Com as alvas batas,
máscaras de entrudo,
técnicas exactas,
mãos de especialistas
negaram-lhe tudo
(o destino inteiro...)
- porque os abortistas
nasceram primeiro.


Bem-haja!

7 comentários:

Anónimo disse...

Em 7 posts, um que não é sobre o aborto... Mais um sobre o aborto e desaparece essa raridade.

Mudem o nome do blog, ou entao criem um blog so para falar do aborto. Ja enjoa... apesar de ser da vossa opinião.

Tipo aborto lusitano, ou imperio do aborto, ou não-aborto lusitano. Ou até império lusitaNÃO

Anónimo disse...

Ja nem o besta mecânica vem aqui comentar. Ja deve ter farto também...

Mestre de Aviz disse...

Está mal, mude-se!

Mestre de Aviz disse...

O tema do aborto é profundamente crucial nesta altura. Sendo assim e, até ao referendo, o nosso blog vai sempre falar de aborto, para esclarecer as mentes menos iluminadas. Não obstante, outros temas serão abordados.

Cumprimentos

Augusto Emilio disse...

Enjoa? A mim enoja-me. Também não me apraz que o povo do meu país esteja tão estragado que um assunto destes seja sequer tema de conversa. Mas a luta para travar o problema depende de quem tem a consciência de alertar o máximo de pessoas. E este é apenas um instrumento como outro qualquer. Sugiro que até dia 11 de Fevereiro acompanhe o País e o Mundo através da galante informação dos nossos canais socializantes de televisão, e não perca tempo com estas "enjoativas" questões sem interesse ou importância para Portugal.

Bem-haja!

besta mecanica disse...

Ouça lá senhor anonimo, se quer referir o meu nome primeiro identifique-se. Nao tenho comentado por indisponibilidade, que eu saiba nao tenho nenhum dever para o fazer. Quanto ao seu enjoo, vá vomitar para a casa de banho em vez de vomitar aqui nos comments. Se diz que "é da nossa opinião" então certamente que percebe a importancia da batalha que se está a travar. Por favor, cale essa boca

Anónimo disse...

Um/a abortista è uma consequência
o senhor consequência ou a senhora consequência. Consequência de um aborto mal feito ou não feito.
Um ser gerado tem direito à vida.Se uma mulher quer fazer um aborto deve ter apoios legais para o fazer mas deve ser penalizada pela decisão assim como ele (para se engravidar são precisos 2 irresponsáveis,nestes casos)tb deve ou devia ser penalizado. O que devia haver è muita informação e apoio à contracepção nas escolas porque não nas discotecas,bares,centros comerciais,cinemas TV etc etc.
1 opinião Z