segunda-feira, março 26


António de Oliveira Salazar



Salazar venceu o programa da RTP, com 41% dos votos (mais 20% que Cunhal). Em segundo lugar ficou Álvaro Cunhal, seguido de Aristides de Sousa Mendes. Personalidades como D. Afonso Henriques (4º lugar), Infante D. Henrique (7º lugar) e Marquês de Pombal (9º lugar), foram assim ultrapassadas pelas supracitados figuras mais recentes da nossa história, devido a um fenómeno de voto de militancia/protesto.

Por ordem crescente, Aristides de Sousa Mendes, D. Afonso Henriques, Luís de Camões, D. João II, Infante D. Henrique, Fernando Pessoa, Marquês de Pombal e Vasco da Gama foram as personalidades que se seguiram a Álvaro e António.

Tirem-se as ilações.

4 comentários:

Anónimo disse...

A memória é curta…

Verdadeiras fortunas, foram gastas em SMS por aqueles saudosistas envergonhados, que sonham ainda com o tempo da miséria e fome, onde ninguém tinha direitos, nem de reclamar, nem tão pouco para votar…

Os cofres do Estado Novo estavam cheios, mas o povo tinha fome, miséria, falta da liberdade de pensar, de agir e a grande maioria da população era analfabeta.

Haviam os “bufos” e a PIDE intimidava e prendia tudo e todos e por vezes, os prisioneiros eram deportados para o Tarrafal, o campo de concentração do Salazar, onde muitos morreram sem serem sequer julgados…

É isso, que nos querem fazer esquecer…

Salazar, foi para Portugal o PIOR de todos os portugueses, desde a fundação da nacionalidade, pelo atrazo, pela tirania, pela prepotência da “classe” dominante, pela fome, pela falta de liberdeade, pelo analfabetismo e pela guerra colonial, onde inglóriamente, ficaram milhares de jovens portugueses…

Pensem um pouco…

Hoje, o povo poderá não estar a viver como desejaria, mas comparar o tempo da escravatura, da fome e do arbítrio, da deportação e da opressão do ditador Salazar, com o tempo de hoje, é pura má-fé, ou desconhecimento do que foi a mais tenebrosa, estúpida, retrógrada e analfabeta ditadura da Europa — “orgulhosamente sós”.

Viva a Democracia !

Smash the reds disse...

Estará este senhor a falar da União Soviética? Ou da Alemanha Nazi? Ou do regime de Mao Tse Tung?

Ah... Talvez se teja a referir ao "regime totalitario subversivo" do filme matrix

Nao... esperem! Talvez se esteja a referir ao regime imposto pelos Símios em "O planeta dos macacos"

Anh? O q? Estado novo? Hum... E eu convencido que se referia ao regime que Alvaro Cunhal queria instalar em portugal... Há com cada um!!

Augusto Emilio disse...

Antes de mais queria dar os parabéns ao senhor anónimo por nos ter presenteado com uma rara exposição de ideias por parte de um "camarada". Visto que normalmente os "canhotos" largam dois ou três impropérios e ficam satisfeitos. É bom saber que nem todos são analfabetos.
Não vou com certeza tentar demonstrar a quem não vê por si, os pontos positivos do Estado Novo. Como todos aqui entendemos ambos os pontos negativos e positivos, parece-me que o senhor anónimo é que padece de uma certa ignorância por apenas ver um dos lados.

Vou antes falar dos negativos: a fome assolava toda a Europa não era uma particularidade portuguesa, e como o senhor enaltece as realizações de mais de trinta anos de socialismo em Portugal, eu faço-lhe o reparo de verificar que Espanha estava pior que nós quando Salazar governava, e o que o seu socialismo fez foi conseguir que trinta anos volvidos tenhamos metade do nível de vida dos "nuestros hermanos".
A população continua analfabeta, sabe ler e escrever, mas continua analfabeticamente funcional, é uma particularidade de um povo rural e pouco esforçado, e mais uma vez são números naturais para a altura num país como o nosso, a situação com Salazar tendia a melhorar com a construção de várias escolas.
A censura. Fala de dizer o que se quer, quando a maioria das pessoas não tem nada para dizer. Fora meia duzia de burgueses que queriam o poder para si para: uns saquearem o país como fizeram nestes trinta anos; e outros como cunhal, para instalarem um regime comunista e sanguinário e que felizmente nunca conseguiram, não tinha que temer a PIDE. E hoje a censura é muito pior, porque as pessoas são ensinadas a não pensar por si, e a engolir o socialismo como unica doutrina, e o controlo das escolas e meios de comunicação é total, nem se dá por ela.
A guerra para quem perde é sempre um erro, para quem ganha uma glória, ser faccioso é falta de coragem, as provincias eram território português à época, e como qualquer país invadido, reage e luta pelo que é seu. Hoje Portugal envia tropas para conflitos que não lhe dizem respeito.

E por último veja todas as outras ditaduras europeias e tenha juizo, repare que a nossa foi a melhor e a mais moderada, como defendem os analistas.

Bem-haja!

Tiago Mendonça disse...

Esta votação tem o valor que têm. Suponhamos que se dava a notícia de Pinto da Costa estar com possibilidades de figurar nos 10 mais. O voto em Luis Filipe Vieira seria imenso, podendo vir este a ser o maior português. Ou que se preparava para José Socrates ser o maior português de sempre, da mesma forma, muitos votariam noutra figura do PSD ou do CDS por exemplo. Aliás, que credibilidade tem um programa, onde figura nos 100 mais um tal de Helio Pestana? OU pinto da costa em 17º? Ou Alvaro Cunhal em Segundo ? Quanto ao escolhido pelos portugueses com disposição de gastar dinheiro, dos que viram o programa, ou seja Salazar, então disser que o meu voto não recaiu nessa figura. Foi marcante sem dúvida. Coisas Boas? Sem dúvida também. Agora D.Afonso Henriques, entre outros tantos monarcas, nomes verdadeiramente gloriosos da história Portuguesa, como Vasco da Gama, Bartolomeu Dias, Camões, ou ainda Marquês de Pombal ( que também teve coisas boas e más) foram bem melhores do que o Prof.Oliveira Salazar. Aliás num outro programa, Salazar foi considerado o pior de sempre, ainda que ai, admito, os critérios ainda foram piores do que neste programa. Enfim, tem o valor que tem.