terça-feira, junho 19


"Espanha: 260 mulheres portuguesas realizaram partos em Badajoz no último ano"






Este é o Portugal socialista, “amigo” do povo.

O país que tem dinheiro para quase tudo, nomeadamente para financiar a prática aberrante do Aborto. Para a aquisição de frotas novas todos os anos a políticos sistematicamente inúteis. Para subsídios estranhos e atribuições duvidosas. Para providenciar rendimentos a quem não trabalha, a quem não quer trabalhar. Para construir casas a indivíduos que nem impostos pagam, nem vão pagar, em sítios incrivelmente privilegiados.

A prioridade para estes senhores mentecaptos não é o progresso do país. É o Socialismo.
A perda paulatina dos valores e a elevação da falta de responsabilidade, do esquecimento das elementares regras de bom senso, de boa governação. Para esta ideologia destruidora não interessa o trabalho, nem a tradição. Não interessa o homem, nem o país. "Ela" apaga as fronteiras de forma irresponsável.
A prioridade é manter o aparelho de Estado, a burocracia, a corrupção, a imoralidade nas contas e nos costumes. Quanto mais libertinagem existir mais distraído está o povo; mais fácil é o uso desadequado e bárbaro dos dinheiros públicos.

Este Estado Social(ista), teoricamente pensado para melhor servir o povo é, no entanto, o responsável pelo fecho de Hospitais, mais concretamente de Maternidades. Obriga as suas crianças a nascer noutro país. Despreza o elementar. As novas gerações, o futuro e a continuidade do seu povo.
Coloca em risco centenas de mulheres que para dar à luz têm de se deslocar por demasiados quilómetros, sujeitas a perder o bebé, ou a própria vida. No interior, fechar Maternidades não é um incentivo à natalidade.
É mais um ataque à Instituição Familiar, à dignidade da mulher.

As prioridades destes últimos Governos do Estado Social estão trocadas; as ideias são cada vez mais estranhas, mais incompreensíveis. Estas políticas mórbidas não podem continuar.

Para bem de Portugal.

5 comentários:

besta mecanica disse...

Incrivel. Estes governantes falam em igualdade, liberdade, dignidade da pessoa humana, mas não hesitam em violar a dignidade da mulher e das crianças com este tipo de medidas.
É uma falta de respeito que nao pdoe continuar.
Tantos anos que avançamos neste sentido para agora haver este retrocesso? Afinal o que pretendem eles?
Parece que vale mesmo tudo para que eles possam manter as suas vidas de ostentação, enquanto q o povo se vai fodendo. Perdoem-me a expressao mas é mesmo assim.
Os filhos dos ministros, deputados etc, nascerão em clínicas privadas com certeza. Por isso é q eles tomam estas medidas sem pestanejar.

MERDOmias

Anónimo disse...

Boa crítica. Revoltada e sentida!
É de homens racioanis como vós que Portugal precisa.

Força Imperio.

P.S.: caro besta mecania, gostei desse pormenor do MERDOmias ;)

José Duarte Arriaga

Anónimo disse...

Bom texto, péssima realidade pintada por vós.
"continuidade do povo", "acabar com fronteiras" ?? E daí? Não somos todos iguais? Que tradiçoes? o que interessam? Instituiçao familiar? O quê, agora as crianças nao podem ter pais separados ou do mesmo sexo porque voces acham q esta mal.
Voces é q estao mal. O qe interessa é o carinho, a afectividade. Naçao, familia e deus, sao coisas que pouco interessam ao desenvolvimento do homem. Voces sao uns miseraveis que se refugiam na maneira de escrever bem.
Enfim...

Ass: Bentley de LATA

Mestre de Aviz disse...

Esperemos que Deus o/a salve desse seu desespero ridículo.

Augusto Emilio disse...

Sujeitos como este deviam-se mudar para o mato, ou ter nascido em países onde não existe a consciência de Deus, os benefícios da Pátria ou o conforto da Família.

Bem-haja!