sexta-feira, janeiro 26


Ainda o referendo

Toda a gente concorda que o aborto é mau. O que o aborto significa, de facto, é terminar com uma vida. Certamente também não concordará, o caro leitor, com a pena de morte. Nesse sentido, e porque as há, devemos procurar todas as alternativas a essa prática e trabalhar para as tornar viáveis.

Existem várias para que a concepção não se concretize (para não falar no Não-Sexo) e várias para que, após a concepção (e evitando o homicídio), não se ponha em risco o bem estar, quer da família (sobretudo da mãe) quer da própria criança.

Existe ainda a questão da responsabilidade. Uma vez que essa alternativas são reais (e se não são ou são ineficientes tornemo-las melhores), o aborto não pode ser considerado um método contraceptivo. Não concordo, mas entendo que o estado tenha que salvaguardar os casos que não são responsabilidade da mulher ou que ponham em risco a sua vida ou do feto (casos esses já previstos na lei vigente).

O referendo é enganoso. A pergunta está mal feita. (Outras causas podem ler-se num post anterior e outras ainda haverá concerteza)

Acima de tudo o estado deve preservar, defender e valorizar a vida.

Por favor, oiça e leia tudo o que puder sobre esta temática para determinar a sua orientação de voto, porque a sua mãe não abortou.

2 comentários:

besta mecanica disse...

Excelente post. O caríssimo padeira de aljubarrota voltou, e em grande.
Muito bom.

Cumprimentos

Anónimo disse...

E agora muita gente que vai votar sim, vai contra argumentar: "A minha mãe não abortou mas devia ter abortado!!!"